Siga a HBR Brasil

Harvard Business School Club of Brazil

Janeiro 2014

Seg, 12/23/2013 - 13:45

Nesta edição

Edição - Janeiro 2014

Carta do editor:

Quem pode realmente adotar ações de curto prazo?

 

É quase um ato de fé: o mundo seria um lugar melhor se os empreendedores parassem de pensar tanto em resultados a curto prazo e focassem mais no longo prazo. No entanto, observa-se que é praticamente impossível mudar esse comportamento. A ideia é clara, mas os sistemas de incentivo vigentes em muitas empresas restringem os esforços para atingi-los.

Dominic Barton, diretor global da McKinsey & Company, expôs a ideia num artigo da HBR em 2011, no qual convocava líderes empresariais a reformar o sistema capitalista lutando contra a “ditadura do curto prazo”. Ele elogiou empresas como Unilever e Ford, que atualmente não se preocupam muito com os acionistas de curto prazo. As ideias de Barton não eram novas, mas vindo do diretor da McKinsey elas desequilibraram expressivamente o debate, favorecendo os negócios.

Apesar da proliferação desse pensamento, a situação pode, na verdade, estar piorando. Por isso Barton retoma o assunto mais veementemente neste mês, num artigo em coautoria com Mark Wiseman, diretor-presidente da Agência de Investimentos de Planos de Pensão do Canadá (“O capital de longo prazo”, página 18).

Os autores admitem que não é realista esperar que a maioria dos CEOs de empresas de capital aberto ignorem a pressão do curto prazo nos mercados financeiros. A única forma de acelerar uma mudança significativa, argumentam, é atrair para a causa, fundos de pensão, fundos mútuos e outros grandes investidores. Se esses investidores adotarem estratégias que visem maximizar resultados de longo prazo, outras peças importantes — administradores de ativos, conselhos corporativos e executivos de empresas — provavelmente o seguirão.

“A melhor forma de dinamizar esse debate é passar das ideias para a ação”, sugerem Barton e Wiseman, “é atrair pessoas que fornecem o combustível essencial ao capitalismo — os maiores proprietários de ativos do mundo”.

 

Adi Ignatius, editor-chefe

De corpo e alma

Alison Beard entrevista Salman Khan

por:
  • Alison Beard

Caso HBR - Na íntegra

Uma cultura forte pode ser forte demais?

por:
  • David A. Garvin
  • Rachna Tahilyani

Experiência

Como preparar-se para a crítica

por:
  • Douglas Stone
  • Sheila Heen

Globo

As novas regras da globalização

por:
  • Ian Bremmer

Como eu fiz

CEO da SodaStream conta como transformou um anúncio vetado no Super Bowl em ouro de marketing

por:

Artigo

Novos padrões da inovação

por:
  • David Cohn
  • David Gann
  • Ian Mackenzie
  • Rashik Parmar

Artigo

A grande mentira do planejamento estratégico

por:
  • Roger L. Martin

A grande ideia

Focando o capital no longo prazo

por:
  • Dominic Barton
  • Mark Wiseman

Coluna I

A verdade sobre o envelhecimento de populações

por:
  • Wolfgang Lutz

Campo de Visão

Uma classificação da inovação

por:

Defenda seu Estudo

Para aumentar a produtividade, deixe que mais funcionários trabalhem em casa

por:
  • Nicholas Bloom

Foco

Como a Netflix reinventou o RH

por:
  • Patty McCord

Foco

Criando uma estratégia de talentos para mudar o jogo

por:
  • Douglas A. Ready
  • Linda A. Hill
  • Robert Thomas

Foco

Cultura de ajuda da Ideo

por:
  • Colin M. Fisher
  • Julianna Pillemer
  • Teresa M. Amabile